Viagem com a Amma e música

7.fev.2017

Uma das tantas dádivas de viajar com a Amma pela Índia é o deleite de escutar fantásticos músicos que se oferecem no mesmo palco onde ela abraça de graça os milhares que vêm, das proximidades de cada lugar onde ela se instala a cada 2 dias, receber o seu Darshan. Os músicos são em geral mesmo excelentes. Amma olha pra eles de cantinho do olho, agradece e bate palmas, e sorri linda, entre um abraço e outro. A música indiana é tão poderosa. Entre uma nota e outra, o infinito. Os agudos muito agudos livres os graves de tremer o corpo o ritmo entrega entrega e só sente. A estrutura da Criação. Nada mais. Nada yoga (como se chama o yoga do som). Não é fácil acompanhar a Amma nessas turnês pela Índia. Sinceramente, é a austeridade (tapas, como se chama em sânscrito) mais severa que já experimentei em toda a busca. (É segunda vez que o faço oficialmente, indo nos ônibus do ashram e dormindo nos lugares que oferecem pros devotos.) Há que se aguentar muitíssimos desconfortos físicos. Esquece o luxo: banheiros quase sempre sujos, cama no chão compartilhando espaço com muitos numa mesma sala, calor, comida simples básica gratis compartilhada entre mil pessoas (e abundante e deliciosa mesmo assim), pouquíssimas horas de sono, muito movimento, um grupo de 400 pessoas vivendo os processos que a presença de uma Alma Realizada provoca, e nossas próprias profundas purificações psíquicas emocionais físicas que essa peregrinação com a Mestra Mãe Divina transborda. É pra mim como entrar num Caldeirão de Alquimia onde nada se controla, o tempo se expande se contrai deixa de ser se mostra poderoso, o corpo pede cuidado, o discurso espiritual pede por prática constante, a Amma única sempre feliz, os sonhos lúcidos, as constantes mudanças, as pessoas se irritam, a diarréia, a kundalini, a constante possibilidade de serviço, a preguiça, a raiva, a gentileza, o amor profundo, a infinita compaixão, o pranto, dúvidas, o mantra, perdão. A fé. Ainda bem que tem a Sitara, a Tabla, os Harmonios, e as Vozes que cantam e cantam e cantam e tudo se revela sempre belo. Como não se pode filmar o palco, e ando aceitando certas regras (às vezes a duras penas), segue video das voluntárias em Chennai, que lavam as louças cantando. Gratidão Amma, por tudo o que você faz as pessoas oferecerem ao dar o exemplo de completa doação. Gratidão companheiros de viagem. Gratidão Mama Índia. Om