Jejum, Enemas e Silêncio

O que você sente ao se imaginar fazendo um jejum prolongado? E se ainda por cima o jejum for também de fala? E se isso incluir uma boa limpeza dos intestinos?

Se você nunca fez jejum, ou se fez de maneira desorientada, provavelmente o que sente é medo, repulsa, aversão. Mas se você jejuou de maneira alinhada com seu biotipo e necessidades, você provavelmente sabe que é muita paz. É assim mesmo, pode perguntar pras pessoas: quem nunca fez jejum acha uma loucura, quem já fez não vê a hora de fazer de novo.

O Jejum

O jejum bem-feito é o remédio mais poderoso que conheço. Dizem que o prêmio nobel de medicina mais recente defende a prática de jejum como tratamento para diversas doenças, incluindo o câncer. Isso as medicinas orientais e indígenas -e o animais- já sabem há milhares de anos. Jejum bem-feito com periodicidade é pura saúde, incluindo saúde mental e emocional. E abertura para uma vida mais coerente e próspera.

Diante desse fato, por que tão poucas pessoas tem a prática de fazer jejuns? Por que esse remédio não é amplamente divulgado num mundo tão cheio de gente doente? Talvez porque jejuar seja um remédio barato e funcional demais para a manipuladora indústria farmacêutica...

Jejum não é um castigo, nem significa que você passará fome. Jejum é um descanso e uma purificação do sistema digestivo, que está diretamente ligado à mente. Se junto com o jejum é feito um enema (uma limpeza de cólon super simples quando se usa o equipamento adequado), a mente fica ainda mais clara. Pode-se fazer jejum no estilo mono-alimento: ingerir somente um tipo de alimento (leve) por certo período de tempo. Pode ser côco ou maçã, ou sucos, ou sopas batidas, ou mandioca, ou arroz com lentilhas e óleo de côco (o kitcheri indiano). Pode ser só com água. Pode ser a seco, sem nada. A melhor escolha depende de sua intenção, de seu biotipo e do clima. Para jejuns a seco e/ou com duração de mais de 3 dias (alguns chegam a 21 ou até 40 dias), é muito importante ter a orientação ou até a guarda de um mestre espiritual ou de alguém especializado nesse tipo de processo. Mas jejuar no líquido uma vez por semana é bom para todo mundo, até para crianças.

Apesar de não ser sofrido, o processo de jejum, especialmente o prolongado, pode trazer limpezas emocionais profundas, o que às vezes pode ser bem incômodo. Na medida em que as gorduras armazenadas vão sendo queimadas, seja do fígado ou de outros órgãos ou tecidos, memórias emocionais vão sendo liberadas. O que na verdade é um alívio. Mas é importante ter um apoio emocional, seja a oração, seja a presença de alguém em quem você confie.

O corpo da maioria das pessoas atualmente está extremamente intoxicado por alimentos inapropriados. Por isso tanta ignorância por aí, por isso a repulsa para jejuar. É como a repulsa de um álcoolatra ao pensar em parar de beber. Quanto mais limpo estiver o corpo, mais fácil é fazer jejum. Para pessoas com o organismo relativamente desintoxicado e que tem boa prática de yoga (incluindo orações e meditação), não é difícil jejuar só com água ou até a seco. Se você não tem uma boa alimentação e nunca jejuou, recomendo que comece de leve: um dia por semana tomando apenas sucos. Ou 3 dias tomando só sopas. É importante se preparar bem para o jejum, deixando a alimentação mais leve nos dias anteriores. E que durante o jejum a água e os alimentos ingeridos sejam puros e orgânicos: nada de cloro e agrotóxicos. Também é de muita ajuda estar na natureza, poder tomar sol, pisar na Terra e apreciar a beleza. Nas grandes cidades há em geral uma aura de stress e ansiedade que não favorecem a introspecção e purificação.

Há alguns casos em que o jejum sem alimentos sólidos é contra-indicado. Por exemplo: 1) gestantes em geral. 2) pessoas em surto psicótico não devem fazer jejum só nos líquidos, pois isso pode deixar essas pessoas ainda mais aéreas e vulneráveis. elas precisam de uma "anestesia" que vem da comida sólida. 3) pessoas em plena crise aguda de desequilíbrio físico. nesses casos é melhor esperar o corpo se equilibrar para cortar com os sólidos. 4) pessoas com bulimia ou anorexia, pois podem distorcer todo o processo. Nesse caso, uma orientação psicológica e espiritual vem em primeira mão. É importante fazer jejuns em ambientes de vibração positiva. 5) fazer jejum quando o clima está muito frio não é apropriado.

É bom ter uma intenção clara antes de fazer um jejum. Pode ser 'saúde', ou superar uma depressão, ou viver mais feliz, ou ter clareza, ou se conectar mais e melhor com seus guias espirituais invisíveis, ou até prosperidade. O objetivo de fazer um jejum não é emagrecer (nós por exemplo somos magros e fazemos jejum com regularidade), mas pode ajudar. Nem sempre se emagrece com o jejum. É muito importante saber "voltar" do jejum, pois após esse período de limpeza o corpo absorve muito bem o que for ingerido. Então voltar aos poucos, comendo devagar alimentos saudáveis, é fundamental.

A Limpeza de Cólon

A limpeza intestinal regular, chamada de enema, realizada pelo menos uma vez por mês, é recomendada por naturólogos e por mestres espirituais de várias linhagens, seja do yoga, do judaísmo, do cristianismo, do islamismo, etc. Há textos essênios (os essênios foram o grupo espiritual judaico de Maria e José, uma sociedade extramamente esclarecida, o que deu espaço para o nascimento de Jesus) que recomendam o enema como uma prática fundamental de exorcismo pessoal. Dizem que o intestino tem neurônios, é o nosso segundo cérebro. Quando está limpo, se pensa -ou se deixa de pensar- com mais clareza e liberdade. Quando está sujo é a casa dos demônios mais destrutivos.

Com a alimentação geral do mundo moderno, cheia de trigo modificado (gluten), açúcar em excesso, carne (a carne apodrece dentro do corpo de quem a come, com excessão dos animais carnívoros, que tem o intestino muito mais curto), e misturas difíceis de digerir, o intestino da galera é um esgoto terrível! Se você nunca fez uma limpeza intestinal, recomendo muito. Com certeza tem muito esgoto dentro de você. Você verá pelo cheiro da água que sairá. A impressão depois de se fazer um bom enema é de que podemos voar. É muito fácil fazer sozinho, em casa. Basta ter o equipamento necessário, a venda em algumas farmácias. E usar água limpa, sem cloro, para preservar a flora bacteriana. Pode-se fazer diversos tipos de enema: água pura morna, água com sal marinho, água com limão, chás, óleos, e o enema de café, que é bom para desintoxicar vesícula biliar e fígado. Basta levar não mais de 1 ou 2 litros (depende do seu tamanho) do preparo escolhido ao intestino grosso pelo ânus e depois de alguns minutos expelir. Com o equipamento é fácil mesmo. Coisa de 15 minutos. Se você não anima de fazer sozinho, há clínicas de hidro-colon-terapia, que dizem que é uma ótima alternativa. É bom fazer o enema até que a água saia sem cheiro forte. Recomendo que você pesquise qual o melhor enema a se fazer no seu caso, procurando um naturólogo, um médico ayurvédico ou lendo a respeito em fontes confiáveis.

O Silêncio

Vivemos numa sociedade que está muito doente, e enquanto cada um vai se curando, há uma chance de que esse mundo melhore.

Uma das boas maneiras de se curar, além do jejum e da desintoxicação corporal é a prática do silêncio e da contemplação. Toda a prática do yoga verdadeiro visa a meditação. O yoga físico prepara os canais do corpo para que a energia flua e se possa meditar com mais facilidade. Meditar, nos estágios iniciais, não é parar de pensar. É reconhecer que não somos o pensamento.

Do pensamento, ou da identificação com a mente, vêm quase todos os problemas da humanidade, senão todos. "A mente é um ótimo servente, e um péssimo mestre." Meditar, no estágio inicial, é estabelecer o foco de sua atenção por exemplo na respiração e assim que perceber que a mente te levou para outro lugar -passado, futuro, desejo, julgamento, medo, etc- abandonar o pensamento e voltar a focar na respiração. Há quem diga que ter essa prática por apenas 1 minuto por dia já é transformador. Há vários grupos, retiros e até sites de meditação por aí. quando a gente se purifica, fica mais facil encontrar a prática espiritual que tem mais a ver conosco. Recomendo mindfulness, vipássana, zen, yoga, Mooji, Prem Baba, e é claro a técnica IAM, que a Amma, minha mestra ensina de graça.

Mas silêncio não é só meditação. O Silêncio sempre está aí, fonte de todos os sons. Por trás de cada barulho, pensamento, fala, música, está Ele, considerado por muitos como Deus. Fazer um retiro de silêncio em um ambiente propício é uma das experiências mais ricas que se pode ter na vida. Se ausentar de falar para receber uma presença mais profunda, se ausentar da mídia manupuladora -tv rádios jornais e muitos canais viciantes de internet- para receber uma sabedoria intrínseca a você. Escutar a natureza. Escutar e limpar seus pensamentos. Se comunicar com você mesmo.

Nos últimos anos, sempre que tive um problema e optei pela prática do silêncio, encontrei a solução. Basta 1 dia por mês, ou por semana, sem falar nem trazer excesso de informação social para si. Nos casos mais austeros, que precisam ser bem-guiados, deixa-se até de ler e escrever e até de trocar olhares com as pessoas (caso do vipássana e dos retiros de silêncio no ashram da Amma). Para começar com gentileza, o melhor é escolher um bom livro de conteúdo rico e ler. Escrever se precisar. Mas não conversar nem se entreter/distrair. É lindo. É a arte acontecendo.

Em algumas tradições de yoga devocional, cantar e rezar não é quebra do voto de silêncio. Por isso em nossos retiros cantamos, entoamos mantras, etc. Ajuda muito e traz beleza.

Minha experiência

Desde que comecei uma "busca espiritual" já fiz alguns jejuns, alguns de silêncio, outros não. E todos foram muitíssimo importantes para minha cura, evolução e felicidade.

E agora, depois de ler o texto, o que você sente com a idéia de fazer jejum? Me conta?Gratidão por ler até aqui.

Om Namah Shivaya